Interpretacao de texto 7 ano com gabarito

Teceu também peças de fita hiv sai no exame de sangue peças de renda e de entremeio — até carretéis de linha de seda fabricou. Era uma vez um menino triste, magro e barrigudinho. Como você se chama? O que disse o passarinho. Um passarinho me contou que elefante brigou com a formiga só porque enquanto dançavam segundo ele ela pisou no pé dele!

Um passarinho me contou que o jacaré se engasgou e teve de cuspi-lo inteirinho quando tentou engolir, imaginem só, um porco-espinho! Xô xô, passarinho, chega de fofoca! D Ainda tem fofocas para contar. Quem acredita sempre alcança! Postado por Jussara Campelo às Anônimo 7 de abril de Rita de Cassía 21 de setembro de Anônimo 28 de abril de Anônimo 29 de abril de Anônimo 30 de abril de Anônimo 22 de interpretacao de texto 7 ano com gabarito de Anônimo 3 de junho de Gustavo Salgueiro 3 de julho de Anônimo 2 de setembro de Vai que o marido disse: Vai que a mulher falou: Ela bota ovos de ouro!

Galinha come é farelo. Aí a mulher disse: A mulher todos os dias dava farelo à galinha. E a galinha botava um ovo de ouro. A galinha pode muito bem comer milho. Aí a mulher começou a dar milho pra galinha. E todos os dias a galinha botava um ovo de ouro. Ela que cate o de-comer no quintal! Aí a mulher soltou a galinha no quintal.

Ela catava sozinha a comida dela.

297 Exercícios de Interpretação de Texto (com gabarito)

Todos os dias a galinha botava um ovo de ouro. Por que a história recebe esse título? De que outro modo poderia ser dita a frase destacada? Qual o significado dessa frase? A cigarra e a formiga. A cigarra, sem pensar. Assim, em qual dos trechos podemos perceber que a personagem utilizou a ironia na fala? Dependendo do contexto em que as palavras encontram-se, elas podem ter outros significados.

O pessoal da Alfândega — tudo malandro velho — começou a desconfiar da velhinha. Que diabo a senhora leva nesse saco? A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os outros, que ela adquirira no odontólogo e respondeu: Aí quem sorriu foi o fiscal. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado, ordenou à velhinha que fosse em frente.

Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com muamba, dentro daquele maldito saco. Perguntou o que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia.

Diz que foi aí que o fiscal se chateou: Manjo essa coisa sites para escutar musicas contrabando pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista. O fiscal verificou que só havia areia dentro do saco. O pessoal da alfândega começou a desconfiar da velhinha. Diante da promessa do fiscal, ela lhe contou a verdade: Todo dia, a velhinha passava pela fronteira montada numa lambreta, com um saco no bagageiro.

Mas, desconfiado, o fiscal passou a revistar a velhinha todos os dias. Durante um mês, o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia. O homem que espalhou o deserto. Havia mangueiras, abacateiros, ameixeiras, pessegueiros e até mesmo jabuticabeiras. Ele voltava e cortava.

Mas o menino cresceu, ganhou tesouras maiores.

1 Comentário